Após o diferenciado processo da fermentação alcoólica, os vinhos tintos regionais e D.O. serão conservados em tanques de aço inoxidável.

Nestes depósitos, ocorre nos vinhos tintos a fermentação malo-láctica, na qual o ácido málico (forte e instável) é transformado em ácido láctico (fraco e estável) resultando vinhos mais equilibrados e macios.

Depois de uma fase de estabilização, os vinhos são filtrados e preparados para o engarrafamento.